Brasil tem perspectiva positiva sobre o comércio com a China

Atualizado: 2014-11-03 05:09 por ZHANG YUCHEN em Beijing (China Daily Latin America)

Um enorme aumento de comércio e investimento entre China e Brasil está para acontecer, disse um funcionário da Embaixada do Brasil na China.

Guilherme Belli, chefe da seção de promoção e investimento comercial da embaixada, falou na sexta edição anual do China Overseas Investment Forum, no dia 23 de outubro, em Pequim.

Belli disse que projetos de investimento mais regionais são esperados.

O comércio bilateral entre Brasil e China tem sido crescente, de 4,1 bilhões dólares (25,1 bilhões yuan) em 2002 para 83,3 bilhões em 2013.

“Nós temos uma atitude positiva em relação ao futuro fortalecimento da cooperação em vários aspectos em investimentos”, disse Belli.

Dilma Rousseff foi reeleita presidente por uma pequena margem entre o crescimento econômico lento. O investimento nacional e demanda são fracos no Brasil. Em setembro, os dois países celebraram o 40o aniversário do seu estabelecimento de relações diplomáticas.

atualmente , existem mais de 70 projetos de investimento chineses no Brasil, no valor de 56,5 bilhões dólares, de acordo com um estudo do investimento chinês no Brasil 2007-13, pelo Conselho Empresarial Brasil-China (CEBC).

Aproximadamente 386.000 milhõesde dólares americanos estão previstos para serem investidos no setor de petróleo e gás, disse Thomaz Zanotto, diretor chefe do DEREX-Departamento de Comércio e Relações Exteriores e da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo.

Zanotto disse que a produção de petróleo offshore chegará a 6 milhões de barris diários em 2022, o que tornaria o Brasil o quinto maior produtor do mundo. Atualmente o Brasil está em nono lugar na produção e é o 15o. Maior titular das reservas comprovadas de petróleo.

Já existem alguns gigantes da energia chinesas que investem nas indústrias elétrica, de petróleo e gás no Brasil, como a China National Petroleum Corp em petróleo e a State Grid Corp em eletricidade.

Shen Jianping, diretor não-executivo da Beijing Capital Land Ltd, disse que o interesse da empresa em investir em programas de infra-estrutura urbana em países da América Latina depende de garantias de segurança e um sistema de regulatório financeiro “saudável”.

Disponível em:

http://usa.chinadaily.com.cn/world/2014-11/03/content_18851527.htm