Chen DuqingDe julho de 1972 até março de 1981, funcionário da filial da América e Pacífico do Ministério de Relações Internacionais da China.

De março de 1981 até abril de 1985, Secretário da Embaixada da China no Brasil.

De junho de 1985 até março de 1989, Diretor do filial de América e Pacífico do Ministério de Relações Internacionais da China.

De abril de 1989 até fevereiro de 1990, diretor da filial da América Latina do Ministério de Relações Internacionais da China.

De fevereiro de 1990 até julho de 1992, Vice-Cônsul do Consulado da China em São Paulo.

De agosto de 1992 até agosto de 1994, Conselheiro da Embaixada da China no Brasil.

De setembro de 1994 até setembro de 1998, Conselheiro da filial da América Latina do Ministério de Relações Internacionais da China.

De setembro de 1998 até junho de 2000, Cônsul do Consulado da China no Rio de Janeiro.

De setembro de 2000 até março de 2004, Embaixador da China em Moçambique.

De maio de 2004 até julho de 2004, estudante da Escola Central do Partido da China.

De setembro de 2004 até março de 2006, Embaixador da China no Timor-Leste.

De abril de 2006 até abril de 2009, Embaixador da China no Brasil.

De 2010, Vice-Presidente do grupo Jingying.

De 2011, Professor do Hebei Institute of Communications.

Na carreira de relações internacionais de Chen Duqing, o Brasil é o país em que ficou mais tempo, 13 anos. Há mais de trinta anos que ele faz trabalhos relativos com Brasil.

Chen é o especialista do Brasil. Mesmo após ter se aposentado, continua a trabalhar. É professor do centro de pesquisa brasileira na Chinese Academy of Social Science. Auxiliou o Hebei Institute of Communications a fundar o curso de língua portuguesa e ensina os jovens professores. Também é professor do curso de língua portuguesa na Peking University. Participou da elaboração do projeto de futebol, enviando jovens jogadores da China ao Brasil para receber treinamento. Seu nível de língua portuguesa é muito reconhecido no Ministério de Relações Internacionais da China.

Antes de retornar de Macau para a China, foi convidado pelo Ministro de relações internacionais da China para corrigir a tradução da palestra do ex-presidente chinês, Jiang Zemin, na cerimônia de transferência do poder político de Macau. Além disso, foi o tradutor de muitos líderes da China, como Deng Xiaoping, Peng Zhen, Li Xiannian, Li Peng. Ele também fala espanhol e inglês, e conhece um pouco de francês. Chen entende que a relação internacional é a expansão da política doméstica. O desenvolvimento da China necessita do ambiente global e da cooperação externa, além do entendimento e suporte internacional.

Por isso, Chen enfatizou a relação pública como embaixador. Levou tempo e trabalho fazendo palestras sobre a reforma e as políticas de relações internacionais da China. Pode palestrar e responder questões de jornalistas em português fluentemente. Suas palestras são profundas, criativas, sinceras, inteligentes e bem-humoradas, e são muitas bem-vindas pela audiência mundial. Ele mostra o carisma dos Embaixadores da China no espaço internacional e amplia a voz da China no mundo.