O 2º Fórum “One Belt, One Road” para Cooperação Internacional aconteceu entre os dias 25 e 27 de abril em Beijing, e contou com a presença do Presidente chinês Xi Jinping em um evento com a participação de mais de 150 países.  São cerca de 5000 convidados de mais de 90 organizações internacionais, que se reuniram sobre o tema “Cooperação One Belt, One Road: Criando um Futuro Compartilhado mais Promissor”, na qual a cooperação “One Belt, One Road” irá contribuir para um desenvolvimento de alta qualidade.

“One Belt, One Road” é a Nova Rota da Seda do século XXI. Em 2013, o Presidente Xi Jinping lançou a iniciativa com o objetivo de aumentar a cooperação entre a China e os países envolvidos, compartilhando oportunidades com o resto do mundo e promovendo a construção de uma comunidade mais humana. Nos últimos 6 anos, a iniciativa tornou-se cada vez mais popular: mais de 160 países e 29 organizações internacionais assinaram o documento de cooperação “One Belt, One Road” com a China. O volume total de comércio do país já supera 6 trilhões de dólares, e o volume de investimento já chega a mais de 80 bilhões de yuans. O Cinturão e Rota tornou-se uma plataforma para a cooperação internacional e um produto público popular que é amplamente participativo no mundo de hoje. Como disse o Presidente Xi Jinping, a iniciativa originou-se na China, mas as oportunidades e realizações pertencem ao mundo.

A América Latina tem sido historicamente uma extensão natural da “Rota da Seda Marítima” e é uma participante indispensável na construção do “Cinturão e Rota”, e o Brasil tem um papel insubstituível. Nos últimos anos, a parceria estratégica abrangente entre a China e o Brasil foi se enriquecendo cada vez mais, e a cooperação alcançou resultados frutíferos e os intercâmbios culturais foram brilhantes. Em São Paulo, mais de 140 empresas chinesas realizaram cooperação com o mercado brasileiro e promoveram resultados de longo prazo. Quatro Institutos Confúcio abriram cursos de língua e cultura chinesa para promover intercâmbios culturais, e mais de 260.000 chineses vivem por aqui. A nova era de “One Belt, One Road” fornecerá novas ideias para aprofundar a cooperação e injetar uma nova vitalidade, que é atualizar a cooperação para um novo nível.

Há 400 anos, o Manila Galleon abriu a rota da China para a América Latina. Atualmente no século XXI, a iniciativa “One Belt, One Road” abrange o vasto Oceano Pacífico que conecta a China com a América Latina e o Brasil. Esta iniciativa está em conformidade com as tendências atuais de paz, desenvolvimento, cooperação e voltada à população. Sinceramente esperamos cooperar em todos os setores, compartilhando oportunidades, acumulando paz, abertura e tolerância, aprendizado mútuo e espírito de igualdade e cooperação, renovamos nosso entusiasmo hoje enquanto construímos essa nova fase. Continuaremos escrevendo um novo capítulo na amizade entre Brasil e China, com muita prosperidade, inovação, comércio e amizade.

Cônsul Geral da República Popular da China
Em São Paulo, Chen Peijie

 

“One Belt, One Road” é uma iniciativa visionária proposta pelo Presidente Xi Jinping, uma grande “marca chinesa”. O “One Belt, One Road” é baseado na Rota da Seda e conecta a Ásia, África e Europa. A rota comercial ajudará no desenvolvimento comercial dos países envolvidos. Sem dúvida, trata-se de uma abordagem estratégica que reorganizará o comércio internacional e abrirá novas oportunidades, o que levará o Yuan à internacionalização e continuará beneficiando vários países em desenvolvimento.

Deputado Federal Fausto Pinato

Hoje, a China é o maior parceiro comercial do Brasil. Ao meus olhos, essa relação tem um impacto muito importante na expansão do desenvolvimento da América Latina e do Caribe. Desde 2005, a China forneceu cerca de US$ 150 bilhões em investimentos na América Latina, com foco no desenvolvimento de infraestrutura.

Desenvolver infraestrutura é um projeto benéfico para o Brasil, porque descobrimos que a produção agrícola atual encontrou um gargalo muito grande em infraestrutura, o que nos levou a perder competitividade no cenário internacional. O “One Belt, One Road” fortalece nossas comunicações e instalações com nossos países vizinhos, o que beneficiará nosso desenvolvimento, aumentará nossas oportunidades comerciais e nossa competitividade no mundo. Com o desenvolvimento do “One Belt, One Road”, após trocas econômicas entre Brasil e China, o caminho da expansão da China será também o nosso caminho.

“One Belt, One Road” é uma iniciativa muito importante criada pelo Presidente Xi Jinping com o objetivo de criar uma “Comunidade de destino comum da humanidade”, criando um novo caminho de civilização multicultural e promovendo a interconexão. As empresas chinesas no Brasil estão pautadas no desenvolvimento e na responsabilidade. A entrada da China na área de energia, manufatura, tecnologia da informação e outras áreas ajudou o Brasil a poder melhorar sua infraestrutura e industrialização, injetando mais vitalidade e motivação no desenvolvimento do país. O “One Belt, One Road” se tornou um importante motor de cooperação China-Brasil.

Deputado Federal Fausto Pinato

 

“One Belt, One Road” é uma iniciativa muito importante criada pelo Presidente Xi Jinping com o objetivo de criar uma “Comunidade de destino comum da humanidade”, criando um novo caminho de civilização multicultural e promovendo a interconexão. As empresas chinesas no Brasil estão pautadas no desenvolvimento e na responsabilidade. A entrada da China na área de energia, manufatura, tecnologia da informação e outras áreas ajudou o Brasil a poder melhorar sua infraestrutura e industrialização, injetando mais vitalidade e motivação no desenvolvimento do país. O “One Belt, One Road” se tornou um importante motor de cooperação China-Brasil.

Presidente da China Company Association,
Vice-Presidente do XCMG Group, Presidente do XCMG Group Brasil

 

Na desglobalização, em que há um maior protecionismo comercial e a economia passa a enfrentar incerteza, a China apresentou o princípio de “consulta extensiva, contribuição conjunta e benefícios compartilhados” do “One Belt, One Road”, que visa construir uma plataforma de cooperação internacional. Esse princípio mostra a grande potência da China, capaz de promover a cooperação multilateral e bilateral entre os países envolvidos, atrair investimento direto estrangeiro, tecnologia avançada, experiência de gestão, acelerar a construção de infraestrutura, otimizar a estrutura industrial, aumentar o nível de desenvolvimento econômico e capacidade de produção e criar mais empregos. A iniciativa “One Belt, One Road” é altamente compatível com o novo desenvolvimento impulsionado por investimentos do governo brasileiro, o ambiente de negócios de otimização de infraestrutura e inovação tecnológica para aumentar a competitividade. Nós estamos ansiosos para os dois governos conseguirem fortalecer o Brasil através dessa iniciativa, na qual precisaremos de um grande planejamento, devemos promover a inovação e a cooperação no âmbito da infraestrutura, capital e tecnologia. Este é o 10º ano do Bank of China no Brasil, e nós vamos continuar a desempenhar a globalização, a integração de alta qualidade, o desenvolvimento econômico através de um serviço profissional e eficiente, para fazermos contribuições através de trocar comerciais e econômicas entre os dois países.

Zhang Guanghua, Presidente do Bank of China (Brasil)

 

Nossos ancestrais abriram o caminho através da Rota da Seda ligando a China e o mundo, através não apenas de trocas econômicas e comerciais, mas também para intercâmbios culturais entre a China e o restante do mundo. Respondendo à estratégia ideológica do país e as suas necessidades de desenvolvimento, a COFCO International é uma promotora e pioneira no projeto “One Belt, One Road”. No Brasil, a COFCO International investiu US$ 4136 bilhões, incluindo duas docas, quatro fábricas de açúcar, 19 armazéns, entre outras. As exportações anuais foram de US$ 12,25 milhões de toneladas de soja, US$ 5,9 milhões de toneladas de milho e 2,28 milhões de toneladas de açúcar. Vale ressaltar que em abril desse ano, a COFCO International convidou 15 clientes agricultores brasileiros para irem à China para visitar e aprender sobre todo o processo da cadeia de indústria de soja, visitar empresas chinesas do segmento alimentício e conhecer de forma rápida e profunda o desenvolvimento e cultura da China. Eles são os primeiros agricultores do Brasil a participar de um intercâmbio como esse e, para a COFCO International, trata-se de uma troca cultural e de amizades entre Brasil e China. Seja nas trocas econômicas e comerciais ou nas culturais e espirituais, a COFCO International é a promotora e pioneira do intercâmbio China-Brasil “One Belt, One Road”.

Xu Guanhua, Vice-Presidente da COFCO International (América do Sul)

 

A iniciativa “One Belt, One Road”, apresentada pelo Presidente Xi Jinping, se adequou às tendências atuais e se ajustou totalmente ao desejo da China e do Brasil de alcançar uma cooperação de sucesso mútuo e desenvolvimento comum. Desde a aquisição da empresa brasileira CPFL Energia em 2016, a State Grid Corporation fortaleceu e melhorou de forma abrangente sua gestão e implementação de tecnologia e inovação de serviços, permitindo à empresa estabelecer desde 1912, sempre revertendo rapidamente situações de endividamento, investimentos insuficientes e evasão de funcionários. A empresa vem se desenvolvendo em aspectos de governança corporativa, capacidades básicas, integração cultural, entre outros aspectos. Em 2018, o patrimônio total da empresa ultrapassou US$ 11 bilhões, e o lucro líquido foi de US$ 530 milhões, com um retorno de 16%, alcançando o melhor nível da história, que reviveu a CPFL, empresa com mais de 100 anos de história.

Wenbo, Presidente da State Grid CPFL

 

Como plataforma de investimento do Grupo Three Gorges no Brasil, a Companhia Three Gorges Brasil também se tornou a terceira maior empresa de geração de energia do Brasil na iniciativa “One Belt, One Road” na América do Sul. A geração atual de energia representa cerca de 8% do mercado brasileiro. A Companhia Three Gorges Brasil combina vantagens de tecnologia e recursos hidrelétricos na China e no Brasil para realizar projetos de renovação de equipamento, introduzir manufatura global de equipamentos, gerenciamento técnico e combinar recursos vantajosos locais para fornecer uma operação estável, segura e eficiente de usinas. Compartilhando oportunidades com os países ao longo do caminho, enfrentando desafios e criando posteridade juntos, o Grupo Three Gorges se integra ativamente à estratégia nacional “One Belt, One Road” como pioneiro e praticante no campo de energia limpa.

Li Yinsheng, Gerente Geral da Three Gorges Brasil

 

O Gezhouba Group considera o “One Belt, One Road” como uma oportunidade para implementar ativamente a estratégia de “sair”, promover o desenvolvimento prioritário dos negócios internacionais e acelerar a formação de um layout industrial global. Após entrar no mercado brasileiro, cooperou ativamente com prefeituras, empresas e instituições financeiras para realizar o acoplamento total, combinado com as condições do mercado local e as vantagens do Grupo para realizar a implantação de trabalhos específicos. Em maio de 2018, a aquisição da franquia PPP do Projeto Sistema Produtor São Lourenço foi concluída. Através da injeção de fundos, intercâmbios técnicos, gestão e integração cultural, o projeto conseguiu ser completado de forma antecipada, beneficiando efetivamente os moradores locais e obtendo reconhecimento unânime de todas as pessoas.

No futuro, o Grupo Gezhouba aproveitará a oportunidade para continuar aproveitando as vantagens de recursos, tecnologia e marca, aumentando o desenvolvimento da água loca, proteção ambiental e novos campos de energia e contribuindo mais para o desenvolvimento da economia brasileira., continuando um novo capítulo do “One Belt, One Road”.

Fan Jian, Gerente Geral da Gezhouba Brazil

 

A economia chinesa vem se desenvolvendo em um ritmo acelerado. Muitas empresas chinesas tem padrões internacionais e podem contribuir para o desenvolvimento do mundo, combinando experiência de desenvolvimento tecnológico e econômico. A iniciativa “One Belt, One Road” é uma cooperação e aliança internacional muito importante, visto que oferece uma plataforma e garantia para cooperação e desenvolvimento internacional.

Nos últimos anos, o Centro de Intercâmbio Econômico e Comercial Brasil-China também participou ativamente da cooperação entre os dois países, promovendo muitos projetos de cooperação cada vez mais extensos. Por exemplo, o projeto ferroviário do estado da Bahia, o projeto portuário no Sul do Brasil, o projeto de usina a diesel e alguns projetos de cidades inteligentes brasileiras. Nós também promovemos ativamente intercâmbios governamentais, culturais e esportivos, desempenhando um papel de ponte e apoiando a cooperação Brasil-China.

Desde a iniciativa “One Belt, One Road”, a China recebeu respostas bastante positivas de muitos países. Agora essa iniciativa se estendeu à América Latina, e o Brasil é um importante ponto de apoio nessa região. Esse quadro, o “One Belt, One Road” tem uma influência e ímpeto importantes na cooperação entre os dois países.

O Brasil e a China mantem relações diplomáticas a mais de 45 anos, e a cooperação entre os dois países vem se diversificando cada vez mais ao longo dessa última década. Especialmente sob o ímpeto de “One Belt, One Road”, a China e o Brasil desenvolveram mais cooperações em infraestrutura, agricultura, ciência e tecnologia. A experiência madura do desenvolvimento econômico da China contribuiu muito para o desenvolvimento do Brasil. Atualmente, cerca de 200 empresas chinesas desenvolveram-se no Brasil, envolvendo energia, portos, ferrovias, cidades inteligentes, comunicação, finanças, agricultura e outros campos, e realizaram muita cooperação e desempenharam um papel muito importante.

Fang Ji, Presidente do Centro de Intercâmbio

Econômico e Comercial Brasil-China

Fonte:Diário Chinês para a América do Sul Ltda(南美侨报) Edição 4336 24/04/2019