O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Ricardo Lewandowski, e o presidente da Suprema Corte
Popular da China, Zhou Qiang, assinaram na manhã desta segunda­feira (30) um Memorando de Entendimento para a
cooperação entre as duas Cortes Supremas. O objetivo é a troca de experiências que auxiliem na modernização do
sistema judicial dos dois países e o fortalecimento da cooperação entre as duas Supremas Cortes. O encontro bilateral
ocorreu na cidade de Haikou, capital da província chinesa de Hainan.

Durante a solenidade, o ministro Lewandowski destacou a importância do Fórum dos Poderes Judiciários dos BRICS (bloco
de países composto por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) e afirmou estar convencido de que, em um mundo
globalizado, as parcerias entre países amigos são essenciais para a conquista de objetivos comuns. Segundo ele, o Poder
Judiciário do século 21 tem um relevante papel nacional e internacional a cumprir, atuando em temas de grande
relevância política, social e econômica, em harmonia com os Poderes Executivo e Legislativo de cada país.

O presidente do Supremo também ressaltou o novo patamar das relações entre os Judiciários do Brasil e da China e disse
que irá se empenhar na concretização, o mais rapidamente possível, das ações discutidas durante sua visita à China. Ao
citar o intercâmbio entre magistrados dos dois países, previsto no memorando de cooperação, o ministro ressaltou que o
Brasil está pronto para receber juízes chineses e compartilhar as experiências brasileiras. Ele acrescentou que a cultura
multimilenar da China certamente contribuirá para a formação dos magistrados brasileiros.

O presidente da Suprema Corte Popular da China, por sua vez, disse que os Poderes Judiciários dos dois países têm vários
desafios em comum a serem resolvidos, de modo que a cooperação entre ambos, impulsionada e renovada pela visita do
ministro Lewandowski à China, tem amplas possibilidades de intensificação e diversificação. O presidente Zhou destacou
as reformas que estão sendo implementadas no Poder Judiciário da China, com o objetivo de torná­lo mais dinâmico,
aberto e transparente, em benefício do povo chinês. As reformas visam a conceder mais garantias ao desempenho da
atividade judicante e a construir um quadro de juízes mais qualificados e profissionais.

Segundo Zhou Qiang, é preciso que os Poderes Judiciários adotem uma visão global para poder confrontar­se de modo
adequado com questões como o crime internacional transfronteiriço, a proteção ao meio ambiente, a segurança jurídica
dos investimentos e o intercâmbio entre os diferentes povos.

Nesse sentido, o presidente da Suprema Corte Popular da China propôs intensificar não somente o intercâmbio de
magistrados entre o Brasil e a China, mas também as ações de capacitação e de compartilhamento de boas práticas
administrativas por meio da rápida e efetiva implementação do Memorando de Entendimento assinado hoje entre os dois
países.

Banco de jurisprudência

Lewandowski e Qiang concordaram em estabelecer, no curto prazo, um banco de jurisprudência comum dos BRICS em
matéria ambiental, disponível a todos em meio eletrônico, bem como em realizar um seminário sobre direito e
desenvolvimento no Brasil em 2016, contando com a participação de magistrados e juristas do Brasil e da China.